31 de ago de 2007

Livros (ou, nada mais que a verdade)


Fugindo um pouco dos meus estudos líricos pelo Norte, trouxe para ‘refrescar’ o ultimo livro de Thomas Friedman, foto ao lado, “O Mundo é Plano”, que acabei de ler, fala sobre o ‘achatamento do mundo’ e de como a evolução tecnológica somada a pequenos acontecimentos histórico-culturais serviram para aproximar o planeta e quebrar fronteiras. Mostrando como “a queda dos muros, o nascimento do Windows, a digitalização de conteúdo e a difusão do navegador da Internet” nos aproximaram a ponto de romper dificuldades lingüísticas e culturais. Estabelecendo um novo código de conduta ético-trabalhista Friedman amplia a discussão sobre o satanizado processo de globalização. Não temos como fugir baby!

Direto de Belém:

Vi numa notinha no “Diário do Pará” que a “Livraria da Braz” estava com descontos, inclusive nos lançamentos! Pertinho do hotel fui caminhando, desviando das mangas verdes que caem aos montes dos inumeros mangueirais espalhados pelas ruas, tornando uma simples caminhada numa bem possível fratura craniana! Um lugarzinho pequeno e simpático num corredor comercial; fui atendido pelo dono, Antonio Moura, figuraça, que me contou horrores sobre a crise cultural da cidade e os ‘novos-velhos-falidos’ culturais. Comprei o ‘bloco’ de Robert Fisk “ A Grande Guerra da Civilização – A Conquista Do Oriente Médio”, umas 1500 paginas pra eu entender direitinho o que se passa naquela região que ninguém sabe onde fica e nem o que eles querem! Daqui uns meses darei o resumo, hummmm.

Tem uma livraria-padaria-café incrível aqui, a “Nobel”, que conhecemos, ocupou um casarão fazendo de seus anexos um bistrô e um estacionamento. No meio das estantes de livros tem um balcão com frios e pães, que são feitos nos fundos da livraria, num outro ambiente tem mesinhas para tomar um café e jogar conversa fora. Comprei e terminei de ler “Foucault: A Coragem da Verdade”, resumo dos dois últimos cursos ministrados por Foucault entre 1983 e 1984. Abordando sobre a noção da parrhesia (falar francamente) e suas conseqüências numa sociedade moderna.
Descartes, por exemplo, acha normal que um sujeito imoral tenha acesso à verdade: “- Posso ser imoral e conhecer a verdade”. Já para a filosofia grega, encarnada por Sócrates, “um indivíduo notoriamente imoral não pode conhecer o verdadeiro” e mais, a parrhesia é uma atividade verbal na qual um falante exprime sua relação pessoal com a verdade e arrisca sua vida, pois considera que o dizer verdadeiro é um dever em vista de melhorar ou ajudar a vida dos outros (...), o falante faz uso de sua liberdade e opta por falar francamente em vez da mentira e do silêncio, pelo risco de morte, em vez da vida e da segurança, pela critica, em vez da bajulação, pelo dever moral, em vez de seus interesses e da apatia moral.”
Bem apropriado para algumas figuras políticas, não acham?

O Sr. Jinkings, emoldurando uma janela à esquerda, vendia livros na linda Praça Batista Campos, como todo bom mascate com sangue estrangeiro, comprou uma casinha nas proximidades e foi ampliando o negócio, que hoje é a maior livraria de Belém, até transformar seu espaço numa ‘livraria-café-jam’, com musica de boa qualidade e uma variedade incrível de livros e comes e bebes. Numa casa anexa fica o acervo que será aberto como sebo aumentando as opções de títulos disponíveis. A Livraria hoje é administrada pelos filhos (o Sr. Jinkings faleceu faz uns 10 anos) e conta com uma funcionaria que já trabalha por lá há uns 17 anos, quando ela viu meu cartão de crédito ‘das Casas Bahia’ (sim eu tenho mesmo e adoro!!!) seus olhos brilharam. Me disse que tinha dois sonhos: visitar uma “Casas Bahia” e conhecer o Silvio Santos!!! Pode? Até a biografia do Samuel Klein ela já tinha lido! Vai ver era inspiração do sucesso do seu ex-patrão, pra ela agora só resta lamentar o boicote das redes varejistas daqui em gongar as ‘super-redes’ do sul.
Almocei no café, nos fundos da livraria, emoldurado por uma pintura do rosto de Karl Marx (isso é que é idealismo!), pra não ficar fora do contexto, comprei “Cultura e Política” de Edward W. Said, foto ao lado, intelectual palestino especialista nos conflitos do Oriente Médio. Já havia lido “Orientalismo” e “Paralelos e Paradoxos” escrito em parceria com o maestro Baremboim, infelizmente Said morreu de leucemia em 2003.

...

Você já leu?: “O Mundo é Plano”/Thomas L. Friedman, editora Objetiva
“Foucault: A Coragem da Verdade”/Organização: Frédéric Gros, editora Parábola
“Cultura e Política”/Edward W. Said, editora Boitempo
“A Grande Guerra da Civilização – A Conquista Do Oriente Médio”/Robert Fisk, editora Planeta

...

Se Joga: “Livraria da Braz”
Av. Braz de Aguiar, 431- Galeria D’Alessandro/Tel. 91-3225-0726
“Nobel Belém”
Travessa Quintino Bocaiuva, 1696A Nazaré/Tel. 91-3222-4080
“Livraria Jinkings”
R: dos Tamoios, 1592/ http://www.jinkings.com.br

27 de ago de 2007

Onze Janelas

Direto de Belém:

Então, já falei aqui do ex-secretario da Cultura, e também arquiteto, Paulo Chaves mas só pra completar tenho de registrar a importância de um trabalho iniciado em sua gestão que é o projeto de Recuperação Urbana do Núcleo Histórico da Cidade de Belém, que já esta quase concluído. A criação do Museu de Arte Sacra da Pará, revitalização da Igreja de Santo Alexandre, restauração do Forte do Castelo – marco da fundação da cidade – e a restauração e a readaptação do antigo Hospital Militar, hoje transformado em Espaço Cultural – a Casa das Onze Janelas.


O lugar é incrível com mesas ao ar livre onde você come e bebe olhando o rio banhado pela lua, tudo isso cercado por árvores e fontes e com uma trilha que liga a Casa ao Forte. Assim se você quiser apenas passear ou namorar pode circular pelo espaço livre de grades e obstáculos e sem pagar nada! Caso você queira ficar dentro da Casa, tem a opção de um ‘bunker’, tipo pub inglês, com música ao vivo e exposição de arte pelos corredores. Ah, a comida é ótima, boa e barata!!!! O único problema de ficar ao ar livre são os ‘gatos assassinos’ que circulam embaixo das mesas em busca de uma ‘unha-de-carangueijo’ perdida, para quem tem fobia (como eu!!!) peça duas cadeiras e ponha as pernas para cima, dá certo!

Se joga: Casa das Onze Janelas
Pça. Frei Caetano Brandão, s/n
Arcebispado - Cidade Velha
tel: 91 4009-8821
...

Só pra refrescar um pouco, nos intervalos dos ensaios eu e meu elenco ficamos escolhendo os melhores videos para morrermos de rir! Por enquanto este e o da "Marcela-chave-de-fenda" (please, procurem no YouTube) estão empatados! Tenho preferência por esta 'bee', porque a minha reação quando vejo um gato (o animal, off course!) é a mesma!!! hauhahauhahuaha


video

19 de ago de 2007

“A igualdade é colorida"

O titulo acima vem do artigo publicado hoje na Folha de S.Paulo assinado por Marco Aurélio Mello, Ministro do Supremo Tribunal Federal, em que defende o fim da homofobia no Brasil. Quantificado em aproximadamente 18 milhões de cidadãos, considerados de segunda categoria, que são vitimas de preconceitos, discriminações, insultos e chacotas.

Lembro que o Ministro Marco Aurélio foi um dos primeiros a se manifestar depois da desastrosa atitude do juiz que recusou o “caso Richarlyson” (já comentei aqui embaixo), no texto ele nos lembra da atitude moderna do Judiciário gaúcho, “havendo sido o primeiro a julgar ações ligadas a vínculos homoafetivos na vara de família, e não na cível”, afirmando que a jurisprudência vem avançando.

“Em São Paulo, permitiu-se que dois parceiros adotassem quatro irmãos. Em geral, no entanto, só um adota -a lei permite que solteiros o façam-, em prejuízo do adotado, que perde o direito à proteção conjunta.” Também chama a atenção às mudanças das legislações municipais, que no seu entender mostram mais adequadas às transformações sociais. Fala ainda das mudanças no INSS no tratamento de pensões e planos de saúde, na participação da sociedade em organizações que visam a visibilidade da causa homossexual e conclui que o Brasil esta vencendo a guerra desumana contra o preconceito!

É isso ai! Tirando o fato que o cara é primo de Fernando Collor (ninguém escolhe parente, certo?), pode-se dizer que ele é um ‘rebelde’ dentro do STF, tem fama de chato por sempre desafiar seus pares com um ponto de vista novo ou simplesmente divergente.

...

Direto de Belém:


Least but not last, hoje rolou a " Parada Gay de Belém", com público estimado em 300 mil pessoas, ainda a esta hora ouço ecos de carimbó e Ivete Sangalo (a musa da seleção, da parada, do funeral, do baile de debutantes, das bodas...) na praça em frente ao Theatro da Paz. As finas não foram, as bonitas ficaram em casa, os hóspedes do Hilton assistiram, literalmente, atrás das grades (já que o hotel se cercou com grades para maior ‘conforto e segurança’ dos hospedes!) e eu fiz a ‘turista-de-calçada’ fotografando o ‘bafo’.
Arriba as 'mina', abajo os 'mano'! Ui!

Salve Jorge!

Querido Diário, esses três últimos dias foram muito agitados mesmo, lembramos dos 30 anos da morte de Elvis (sim, eu já era nascido e me lembro também o dia exato da morte!) e comemoramos o aniversário da Madonna e o meu! (a Lôca!!).





Pra que tudo continue indo bem, não dei motivo pro mal agouro e comemorei na “Taberna S.Jorge”, entre poucos e bons, para os que não foram farei como a ‘irmã Selma’, do Tatá na “Terça Insana”: eu sei desenhar!!!! Hahahahahahaa




O lugar era ‘surpresa’ escolhida por mim, para depois do ensaio, mas o que foi surpresa mesmo foi a entrada triunfal de Carlos Vera Cruz encarnando Madonna, Maria Rita e Teresa Salgueiro, com direito a poesia de Florbela Espanca e tudo! Tá, comigo é: Luxo, Esplendor e Glória!!!!


...

Direto de Belém:

Também conhecido como Bar da Walda a Taberna S.Jorge, que fica escondido atrás da Igreja de S.João, é um alento nesta terra do açaí. Sua dona, a dita Walda Marques, é uma talentosíssima fotógrafa e devota de S.Jorge, que recebe amigos e clientes servindo comidinhas na marmita (que vem enrolada com pano-de-prato, tipo, beeemm brejeiro!) e expõe, além das suas fotos, esculturas e arte de amigos, o que torna o bar de uma certa forma mutante, já que vai mudando a decoração de acordo com o humor da dona! O Bar recebeu pelo segundo ano consecutivo o “melhor lugar para se petiscar”, segundo a revista Veja Belém. Tudo!!!

Se Joga: Taberna S.Jorge
Travessa Joaquim Távora, 438/tel.:91-3224.3476
PS 1: Antes de ir leva o talão de cheques ou saca o ‘aqüé’, já que lá não aceita nenhum cartão! Avisei...
PS 2: Tomara que você tenha a sorte de ser apresentado ao filho (‘Top’, eu diria) da Walda! Depois me conta!!! Como se diz por aqui: - Égua!!!

16 de ago de 2007

Vai dormir e não me enche o saco!

E não é que o nosso ministro da cultura, aquele senhor que “até que tem o cabelo bonitinho, mas não serve para o cargo” (nas palavras do sábio Paulo Autran), deu uma entrevista para o ‘Liberation’ francês, publicada na segunda, (com trechos no Estadão de ontem) em que fala do ‘sacrifício’ em ser ministro:
- “O sacrifício não é apenas financeiro, toca também no meu desejo de expressão e de comunicação, alem da demanda do meu público”.

E tem mais, ele acha que esta se saindo melhor do que pensava e sabe qual era sua maior preocupação antes de aceitar o cargo? Ele responde:
- “TINHA MEDO DE NÃO ACORDAR CEDO” (!!!!!!!!!!!!!)

Ora, faça-me o favor! O sacrifico é nosso, o Ministério da Cultura esta saindo recentemente de uma greve que durou 3 meses e nas poucas linhas que saíram nos jornais NENHUMA tinha uma posição do senhor Gil. Mesmo com todo o prestigio que tem com o presidente não se viu um movimento que seja para um acordo com os grevistas, nem se as exigências eram certas ou erradas. Aliás deixou-se ver até onde eles iam com essa paralisação, já que para esse governo tanto faz como tanto fez se a Cultura parar tudo por meses ou anos. Não faz a menor diferença para o Pais, a única coisa que importa é que Gil reduziu de 200 para 50 o numero de shows que faz por ano.

Pois eu faço parte do movimento criado por Miguel, meu amigo, transformei os cds daquele senhor em descanso de copos!

...

Você sabe que está ficando velho (é amanhã hein gente!) quando já viu todos os filmes clássicos em retrospectivas por ai. Bem, então olha só, vai até 23 de agosto no Centro Cultural São Paulo uma mostra com 10 longas dos mestres japoneses Yasujiro Ozu e Kenji Mizoguchi.

Ozu é intimista ‘familiar’ e filma sempre com a câmera baixa (ao lado na foto ele, de terno, orienta a posição da camera) seus temas o transformam num Tchecov oriental. E já que estamos comparando, Mizoguchi é um pouco o Fassbinder japonês, seu tema, quase sempre é pela ótica feminina (assim como o cineasta alemão, lembram de Lili Marlene e Lola, por exemplo) e o lado ‘do mal’ que todos nós deixamos bem guardados.

Essa vai para os meus queridos ex-alunos que volta e meia me ligam e me escrevem para pedir dicas do que ver, ler ou estudar e como estou quase na fase ‘senior’ me obedeçam! Hehehehehe

Se joga: CCSP, Rua Vergueiro, 1000 (11-3383-3402)/entrada franca

...

Direto de Belém:

Ontem foi feriado estadual por aqui, 15 de agosto comemora-se o “Dia da Adesão do Pará à Independência do Brasil”, a Adesão foi um acontecimento decisivo para o Estado, que definiu os rumos políticos e econômicos de sua historia recente. Hummmm agora entendi esse ar nonchalance belenense de ‘europeu sentado num café’. Basta apenas demolir em 15 graus a temperatura, mas nem tudo é perfeito!

12 de ago de 2007

Ma che Buffone!

Então, começaram os ensaios de “La Cenerentola”, aqui parte do elenco no Theatro da Paz, em Belém, (Gallisa, Luciana, Flavio e Léo à partir da esquerda) estreamos no dia 30 e adianto que estou me divertindo mais do que devia! Auahauhahauhauhauhaha

A Cenerentola, em si, será tipo “Beth, a Feia”, com óculos vermelhos e pantalona acetinada de ‘ursinhos carinhosos’ (coisa difícil pra quem conhece a Luciana Bueno, mas como na “Lady...” deste ano em Manaus eu fiz ela ser ‘estuprada’ e carregada por 25 homens, vai ser bico fazer ‘a feia’), Dandini (Leonardo Neiva) entra com 20 serviçais do palácio (coro masculino), tem um xilique, ‘baixa um Michael Jackson’ nele e no coro e todos imitam os passos de ‘Thriller’ numa seqüência que promete irritar o Lauro Machado!!!!

Alidoro (José Gallisa), quando disfarçado de mendigo será um cego de bengala e óculos escuros, quando tira o seu disfarce e aparece de ‘fado-padrinho’ vem todo vestido com um ‘tuxedo’ branco elegantérrimo. D.Magnifico (Pepes do Valle) é o todo querido Pepito, um puta ator com timing de opera bufa que me ensina muito, tudo o que ele me sugere é irretocável e fica no espetáculo!

Pela primeira vez trabalho com Flavio Leite, que já entrou na minha onda histérica, e esta deixando menos insosso este papel de príncipe chato! Estréio também com a Alpha Oliveira (Tisbe) e Márcia Aliverti (Clorinda) que abrem a cena lendo revistas de yoga e ‘noiva modas’ com a cara cheia de creme de beleza (aliás, sugestão impagável de William Pereira) e depois desfilam ‘matando-para-vestir’ no Baile coberta de zebras, peles, coelhos, onças e perucas!

Vixe, ainda tem 10 debutantes no baile com seus vestidos imensos e uma drag queen!!! Me segurem ou nunca mais me deem uma opera bufa pra dirigir! hauhahuahuahuha

Bom, deu pra sentir que já passou a minha ressaca ‘pós-Shostakovitch’ né?!

...

Direto de Belém:

O que esquenta o bate-boca por aqui é falar na tal criação dos novos Estado de Carajás e Tapajós que nasceriam com o retalhamento do território paraense! Essa nova onda separatista tramita no Congresso sem levar em conta os custos de infra estrutura destas novas unidades federativas. Por baixo os valores giram em torno de R$ 2 bi, pensem nas despesas com representantes dos novos Estados na Câmara e no Senado, mais os custos de assembléias legislativas e dai você pode somar mais alguns milhares naqueles bilhões!

Hummm, sei não, tem todo aquele lance de riquezas naturais em Carajás e que passaria longe do Pará, que já tem mais da metade do seu território declarado como área de interesse da Nação. Sendo assim melhor que fique como está ou então todo o interior paulista poderia também requerer independência, ou alguém duvida do contrário? Difícil mesmo é aparecer um personagem como ‘Bugsy’ que comeu muita terra vermelha e fez muito lobby para construir Las Vegas do nada. Bom, teve desvios, falcatruas e muita canalhice também, mas isso a gente já sabe fazer, obrigado!

9 de ago de 2007

Saudações Tricolores!

Alguns amigos meus não entendem porque eu gosto de futebol, e pior não acreditam que eu tenho coragem de ir a estádios sozinho! Até consigo entender os motivos que levam o nosso presidente corintiano a rechear de parábolas futebolísticas –bem pobres, diga-se – seus discursos populistas. Pra dizer a verdade aprendo muito mais com uma simples partida do que com muito espetáculo que tenho assistido ultimamente.

O futebol me ensina a importância de um bom diretor (técnico) com o seu ‘elenco’, que tática ele usará contra determinado adversário, qual a surpresa que ele guarda numa cobrança de falta ou escanteio, que 'cobrança' ensaiada assistiremos para surpreender quem já sabe como o outro joga! Como o grupo se organiza em campo e se alterna em posições, desequilibrando marcadores e como ter paciência e disciplina para brilhar num gol.

Por essas e por outras Lula gosta de usar motivação futebolísticas para incentivar sua ‘turma-de-varzea’, e se você que esta lendo isso dirige qualquer grupo, seja de teatro, de advogados, de alunos ou de empresários sabe que, vendo por este ângulo, uma partida de futebol é bem melhor do que algumas centenas de páginas de auto-ajuda.

Nesta quarta-feira meu time, São Paulo (lógico!), alcançou a liderança do Campeonato Brasileiro vencendo o Botafogo por 2x0 em pleno Maracanã num jogo duro, violento e preconceituoso (por parte dos cariocas, sem bairrismos, please!). Os melhores – PIORES – momentos reprisados nos programas de esporte foram, além dos gols, uma verdadeira sessão de ‘vale-tudo’ em campo. O são-paulino Reasco saiu de campo carregado numa maca com uma fratura na tíbia (popularmente conhecida como ‘quebraram a perna do cara!'), num lance criminoso o botafoguense Túlio conseguiu a façanha de acertar, propositalmente, um chute na cara do Leandro e, óbvio, foi expulso.

O camisa 9 fez um gol de cabeça (com um curativo escondendo 5 pontos no supercílio, de um choque numa partida anterior) e Leandro, minutos depois fez um puta gol (a superação na adversidade, lembram?) e fim da historia. Agora sabe como o adversário reagiu ao final da partida? Entrevistados em campo, mais de um jogador chegou a dizer que a imprensa paulista tinha ‘pilhado’ o jogo, que o juiz tinha sido ‘comprado’ por paulistas, e bla-bla-bla. Ah,esses cariocas não aprendem mesmo...

...

E sabia que o Richarlyson (ai ao lado) vai enfrentar até o juiz? Não, não é dentro de campo é juiz de direito mesmo! Um dirigente do Palmeiras, dias atrás num programa de tv, disse que ele era gay, ele se ofendeu entrou com uma queixa contra o cara e o juiz arquivou a queixa-crime com o argumento de que futebol é “esporte pra homem viril e que o homossexual tem que procurar seus direitos em outras instâncias ou mudar de profissão”! Uaaau

O são-paulino quase ia desistir desta patacoada toda quando pensou bem e achou que “é preciso acabar com todo tipo de preconceito, seja por questão sexual, de raça ou de credo”. E mais, sabe o que o incentivou: foi um trabalho que ele esta fazendo para a faculdade de Educação Física, é sobre ‘Etnocentrismo’ (tendência do homem de menosprezar outros povos). Você sabia? Eu não, aprendi acompanhando futebol!

...

Direto de Belém:

Acabou domingo “O Guarani”, com 3 récitas absolutamente lotadas e ovacionadas, quem não conseguiu ingresso pôde assistir por telões espalhados em diversos pontos da cidade. Tudo!
Adriane Queiroz, belenense-berlinense, queridinha do maestro divo Barenboim (e que também acabou de gravar um disco com o über-maestro-compositor Pierre Boulez), estava deslumbrante e muito segura, já quanto ao senhor que fez o índio Pery, teve um ataque de ‘tenorice’ desde a caracterização do personagem (se recusou a ter o corpo pintado e depilado!) até conseguir a antipatia da orquestra, regente, diretor cênico e outros mais, o resto é pra me perguntar num bar depois da segunda caipirinha que eu conto!

Sei que a versão de ‘museu’ (acima em foto de Elza Lima, iluminado 'per me'!) do William Pereira foi bem recebida e aplaudida, mesmo para quem esperava uma encenação tradicional de um enredo absurdo e as vezes nonsense como este! Just opera honey!

Em breve minha “La Cenerentola”! Ui...

1 de ago de 2007

Inferno Astral!

Pois é, agosto chegou e como estou quase chegando nos ‘enta’ fico meio que naquela obrigação em fazer avaliações sobre o que fiz e o que farei da outra metade da minha vida. Jogo duro né?

Engraçado como minhas convicções foram se relativizando (se é que existe esta palavra!) e a minha paciência foi diminuindo na proporção em que foi aumentando a minha intolerância. As contradições de certas ações também ficam mais evidentes, mas como sou artista a contradição está intrinsicamente ligada as minhas atitudes; o que eu detestava, aprendi a adorar, o que eu adorava agora detesto e quem sabe amanhã... Claro que com todo o ‘drama’ e intensidade que rodeiam os artistas!

Também procurar um pouco de sossego e fugir da cidade para pensar mais na horas e menos nos minutos faz sentido. Quando comprei meu apartamento no centro e comecei as reformas não tinha uma loja em que eu ia cujo mote para a venda era: “ah, mas leva isto que vai durar a vida toda!”. E eu pensava comigo, mas eu não quero que dure a vida toda!!! Eu posso mudar de idéia e quebrar tudo de novo, ou reconstruir a parede que destruí, ou mudar o acabamento do banheiro (coisa que aliás fiz 2 vezes em menos de 1 ano!), ou posso simplesmente vender e sair daqui. Aliás isso já está decidido e é uma questão de tempo, perdi o ‘timing’ do centrão, deixo pra molecada-skinny, eles precisam ficar mais perto dos ‘after-hours’.

Esse mês será meio assim, me agüentem!

...

Direto de Belém:

E não é que a cidade tem um monte de lugar incrível! Não fosse minha intolerância para esse calor ‘dos emirados’ eu teria vontade de sair mais do hotel e descobrir os encantos do ‘bafo-do-norte’ pela tarde, já que a noite o dever me chama.

Tenho jantado todos os dias na “Estação das Docas”, um trabalho magnífico de recuperação do antigo porto da cidade e todo o seu entorno, transformado num lugar cinematográfico com dezenas de restaurantes, bares, barcos e uma paisagem linda! Fiquei com inveja e raiva lamentando termos o Porto de Santos com um projeto semelhante prometido há anos e que nunca sai do papel e a estupidez carioca em querer uma filial do Guggenheim no seu Porto (acho que se trata da maquete mais cara da historia!) num deslumbre terceiromundista!


Almocei outro domingo num lugar chamado “Manjar das Garças”, Um restaurante-mirante também com vista para o rio, com garças passeando pelos jardins e lagos próximos. Depois do almoço você pode caminhar dentro de um “Borboletário”, uma estufa que recebe vapores de água e tem dezenas de espécies de borboletas e pássaros raros voando ao seu redor. Se você toma ácido então vai se sentir no paraíso com direito a arco-íris e tudo! Incrível!

As obras que mais chamam a atenção na cidade foram feitas pelo ex-secretario da Cultura, e também arquiteto, Paulo Chaves, ele simplesmente mudou a cara da cidade recuperando muitos casarões antigos em áreas antes degradadas e pouco valorizadas. Claro que cansamos de ver coisas do gênero, principalmente quando viajamos para fora, mas o que se fez aqui não foi aquela reforma ‘caça-turista-trouxa’, foi algo pensado para quem mora aqui e usufrui dos serviços e, claro, atrai o turista que se sente respeitado e gasta com prazer.

Tomara que São Paulo siga o exemplo e transforme realmente a ‘nova Luz’ em um bairro que atraia novos moradores e, por quê não, turistas também! Dinheiro não falta e exemplo temos de monte, além de Belém temos também Recife e se não quiser ir muito longe que tal Bogotá? Por falar em Bogotá, além da recuperação da cidade poderíamos seguir também o exemplo da ‘politização’ dos colombianos, um povo extremamente participativo e inteligente e que há muito tempo não é só favela-tráfico-máfia (você lembrou do Rio?).

Abrindo um parênteses, num ‘momento Forrest Gump’, quero dizer que conheci boa parte da Colômbia numa época em que ela vivia em estado-de-sítio com toque de recolher e tanques nas ruas. Passei por Manizales, Bogotá, Pereira e Medellín e era a mesma coisa, tanques, segurança máxima, guerra entre chefões do tráfico e juizes, prisão-fuga de Pablo Escobar, granadas, etc. Fico feliz em saber que uma nova geração não se deixou abater e reagiu a tudo isso, enquanto nós...