12 de fev de 2008

3 em 1

Fiquei com um pouco de preguiça em falar de três filmes que vi recentemente e me decepcionaram, principalmente pela expectativa que os cercavam. Como os filmes, pra mim, não valiam uma lauda resolvi falar deles aqui num ‘esquema tático 3 em 1”. Vamos lá:

“O Caçador de Pipas”
Foi o último que vi, confesso que atrasado, sabendo que não me ‘pegaria’ já que tinha uma idéia do que era o livro, que não li e não lerei, sorry!
O problema maior é o roteiro (do mesmo cara que escreveu “Tróia”, então está explicado a simplificação frágil da história em detrimento dos aspectos políticos e cotidianos afegãos, que soube é crucial no livro! By the way “Tróia” era um lixo!), os atores parecem que decoraram o “Minutos de Sabedoria” e é insuportável acompanhar os diálogos, na linha ‘lições’ de vida. Outra coisa bem irritante é a trilha sonora óbvia e ostensiva, também erro de casting, pra quê chamar o músico dos filmes do Almodóvar para fazer uma trilha que se passa no Afeganistão? O resultado está lá: batuque, gritaria e cítaras num uníssono de tapar os ouvidos.

“Sweeney Todd”
Pfui!!!! Jamais imaginei dizer que faltasse imaginação para Tim Burton, e não é que esse musical é bem ruinzinho! Johnny Depp faz mais uma esquisitice do diretor, só que desta vez sem carisma, Helena Bonham Carter, mulher esquisita de Burton, faz só o que sabe fazer, esquisitices!
Quem rouba a cena mesmo são os figurantes hilários interpretados por Sacha Baron Cohen (o eterno "Borat") e Timothy Spall (um bedel que parece se divertir mais do que todos no filme e que está numa bichice impagável!). Assistindo "Sweeney Todd" você vai entender porque existe tanta gente que o-d-e-i-a musical, eu entendi!

“4 Semanas, 3 Meses e 2 Dias”
4, 3, 2, 1, ‘Água’!!!!! Esse prêt-à-porter (não, não é sobre moda, leia mais aqui) romeno ganhou a Palma de Ouro em Cannes no ano passado e deu visibilidade a cinematografia Leste. E...
Ao contrário de “Caçador de Pipas” aqui a equação 'política-cotidiano' é onipresente e fio condutor da narrativa, o que se questiona é: com tanta infelicidade pelo caminho não é possível que TODOS os personagens sejam tão ‘monocromáticos’, monocórdios e desfilem sempre com um ar 'non chalance' de falsa importância em pleno comunismo do Leste Europeu.
E vamos combinar que ‘aquele feto’ tosco era absolutamente desnecessário.
Prefiro ver este enredo no CPT do Antunes Filho, seria mais curto e mais intenso, com certeza!

2 comentários:

ER disse...

kkk

Assisti o filme do TIM BURTON.

Mais uma non-criativa bobagem musical!

Não tinha mais como me mover na poutrona.
O F. dormiu na hora q o menino foi tirar a Johanna do asilo. UI.

Dos 3 oscars, ganha dois?

xoxo

viralata disse...

Por mim não ganha nenhum!kkkkkk, sorry Deep!