30 de jun de 2008

"Ça Ira" by Luiz C. Salama

Nossa, quando eu menos esperava recebi um presente de um expectador de "Ça Ira" que divido com vocês. É o Luiz C. Salama lá de Manaus que fotografou o espetáculo (acima foto da legenda especialmente pintada para a ópera de Roger Waters) na segunda récita e me mandou um scrap no orkut depois de ler coisas que eu escrevi naqueles fóruns sobre ópera.
Divido então com vocês exatamente como ele me escreveu:

- "Sr Caetano, li no forum sobre o Festival de Opera que vc foi um dos responsaveis pela montagem de Çai-rá. eu nao consegui ir na estreia e fui na segunda recita. nem vou entrar no merito de ser opera ou musical, vou entrar no merito do "foi bom ou não" digo que adorei, que valeu a pena sair de casa, pagar e ver, mesmo tendo que acordar cedo.
Entendi o espetaculo como uma alegoria do clamor por liberdade, com citaçoes obvias da musicalidade de The Wall (do mesmo autor) e de Revolução dos bichos (George Orwell), revoluçao Francesa, primavera de 68 até a movimento Free Tibet atualíssimo.
Destaque para o coral infantil cantando em ingles e pro ritmo que nao deixou ficar monótono o espetáculo em nenhum momento.
Voces estao de parabens, não liguem pros chatos de plantão. Ficarei muito feliz em ter a tua visita na minha pagina de fotos, onde tem um album só deste espetáculo: http://www.flickr.com/photos/dr_ocio/sets/72157604809298202/
Abs
Luiz Salama
...
Muitíssimo obrigado querido e Sr. está no céu, heheheh.
O Luiz tem um site com histórias e fotos que ele faz pelas suas viagens ou simplesmente pela oportunidade de clicar aquilo que gosta, pois não é que 'viajando' pelas suas páginas eu encontrei fotos que nem tinha de uma produção do "Barbeiro de Sevilha" que também dirigi para o FAO!
Pois é, o site dele é este e as fotos do "Barbeiro" estão aqui.

...

Detalhe da 'skull clown' a primeira imagem que 'recepcionava' o público antecipando as 'cabeças que rolaram' na Revolução Francesa, que...

... como era contada por uma trupe de circo, deu pra entender né a referência aos clowns e aos...

... mensageiros do mal-agouro, representados pelos bailarinos do Corpo de Dança do Amazonas

Aqui a inocência de Maria Antonieta quando jovem (Maria Gerke Pinheiro) com o simbólico personagem Honest Bird (Lucas Fernandes) que adulto se transforma num Padre Revolucionário

Já adulta, toda a empáfia de Maria Antonieta (Gabriella Pace) é narrada pelo Apresentador do Circo (Leonardo Neiva)

Final do segundo ato com os escravos libertados da República de S. Domingos (Haiti), reflexo de uma Revolução que em sua primeira fase não teve heróis...

... e foi comandada pelo povo. Aliás...

... é comandada até hoje!

5 comentários:

Luiz C. Salama disse...

A minha foto predileta é a silhueta da turba no final do segundo ato com aquela luz fantástica.

Isso sem contar com a alegria de poder retribuir de alguma forma pelo belíssmo espetáculo.

abs

Luiz Salama

viralata disse...

Nem consigo escolher! Acho que a da caveira é bem simbólica e capta bem o espírito do espetáculo, mas vc sabia que eu não consegui tirar os olhos deste clonw, ficou mesmo incrível!
Mais uma vez obrigado!
;)

Igor Santana disse...

blinnn queria ter visto Ça-Ira!

viralata disse...

hummm e agora ficou com mais vontade ainda né!?
hhehehehe

Anônimo disse...

Excelentíssimo Senhor Caetano, gostaria de comunicar que ainda aguardo a sua ilustre visita no meu pequeno cafofo, oops, blog! http://terceirosinal.zip.net

Beijocas, Erika