25 de ago de 2008

Infelizmente é tudo verdade

A pior sensação que se tem ao assistir ao filme "Um Crime Americano" de Tommy O'Haver é saber do envolvimento de crianças, e quase meia escola, nas sessões de tortura com a pobre Sylvia Likens (tocante interpretação de Ellen-Juno-Page) por meses sem que ninguém tomasse iniciativa em denunciar as maldades.
A desequilibrada Gertrude Baniszewski (a sempre excelente em qualquer papel Catherine Keener), também sádica e ninfomaníaca, é de uma frieza que deixaria o clássico 'das maldades infantis' "Mommie Dearest" parecer brincadeira dos 'teletubies', que me perdoe a também 'tan-tan' Joan Crawford.

Essas sessões 'é tudo verdade' me deixam desconcertado, a vida real é tão patética que não acreditamos que pessoas, e não personagens, possam agir de forma tão primitiva e violenta.

4 comentários:

afonso disse...

Pois é, Caetano. Assisti "Um crime.." no domingo, nem sei se gostei do filme, mas o fato é que eu saí devastado da sala... Se fosse um roteiro inspirado numa obra de ficção, todos diriam que é "exagerado, caricato, inverossímel", etc. O que me choca é pensar que mente sádica de uma mulher doente influenciou uma comunidade inteira, o qto essa gente se excitou c/ o sofrimento de uma garota indefesa. É uma visão pessimista e perturbadora do gênero humano, mas absolutamente verdadeira, que acontece em toda parte, inclusive aqui. Lembra-se do caso da menina paraense, presa na mesma cela c/ um bando de caras que a estupravam sistematicamente, noite e dia, diante dos olhos da população e ninguém fazia nada? Uma tragédia que nem a ficção mais cruel imaginaria. Abração, tô adorando o teu blog.

viralata disse...

Pois é Afonso é chocante mesmo, quase comecei a comparar os filmes 'verdades' no post, parei logo no primeiro que me veio a mente: "Garotos não Choram", teria de fazer um 'especial' para tratar do tema, mas meu estômago ia embrulhar.
Obrigado pela visita.
;)

Tony Goes disse...

Vi o filme ontem, e foi uma tortura. Sabia como acabava, o que talvez tenha aumentado meu sofrimento. A maldade humana não conhece limites...

viralata disse...

amor e eu que só leio criticas depois que eu assisto aos filmes e não sabia de nada, e nesse caso sabia ser uma historia real mas não sabia o desfecho... CHOQUE! E o pior é que eu 'cai' direitinho naquele quase final em que ela vai procurar os pais...Wow!!!!
bj