25 de dez de 2008

Foi bom pra mim

Eu e Roger Waters no palco do Teatro Amazonas durante os ensaios de "Ça Ira", barricada de 'tapadeiras' foram montadas no proscênio para trabalharmos longe dos 'paparazzis' europeus e brasileiros que queriam a todo custo registrar cenas do espetáculo antes da estréia.

O primeiro semestre de 2008 foi realmente incrível e próspero para mim. As óperas que trabalhei no Festival Amazonas de Ópera ainda me trazem bons frutos e reconhecimento profissional, além, claro de excelentes críticas no Brasil e principalmente no exterior (Itália, França e Alemanha).
Tive o privilégio de trabalhar com Roger Waters (fundador do Pink Floyd), dirigi e iluminei sua única ópera, “Ça Ira”, e montada na íntegra no FAO, sem cortes e com revisão do próprio Waters. O espetáculo repercutiu mundialmente e só não foi melhor por quê promessas não foram cumpridas pela produtora associada em São Paulo. Mas fiz o meu melhor e fiquei muito orgulhoso do resultado de toda a minha equipe.

Minha direção 'rock'n roll' para "Ariadne auf Naxos" em Manaus, muitos elogios pela crítica européia

Outra parceria com o maestro Luiz Fernando Malheiro foi a minha direção e iluminação para “Ariadne auf Naxos”, infelizmente apenas em Manaus já que a co-produção prometida, alardeada e divulgada com o Municipal de S.Paulo não aconteceu. Muito já falei e foi debatido por aqui entre réplicas e tréplicas, ainda não digeri esta frustração que me trouxe tantas alegrias e foi muito elogiada na Europa, ganhei inclusive, além da crítica, uma página e meia de entrevista exclusiva na revista alemã especializada em ópera “Der Neue Merker”!




De cima para baixo, GT e Olinto em "Bate Man" e uma cena do espetáculo. Abaixo: GT, Pancho e uma cena de "O Cão que Insultava Mulheres"

Falando em parceria, voltei de forma meio ‘torta’, a trabalhar com Gerald Thomas nos seus dois últimos espetáculos no Brasil. Com a Cia. de Ópera Seca, que já fui integrante por alguns anos, assinei a luz de “Kepler Ou O Cão Que Insultava Mulheres”, experiência dramatúrgica ‘online’ à partir de internautas que ‘dialogam’ com Gerald em seu Blog.
Outro espetáculo foi “Bate Man, ou Bait Man”, no SESC Copacabana/RJ, monólogo para Marcelo Olinto comemorar os 20 anos da Cia dos Atores, Gerald foi convidado a escrever e dirigir um texto inédito e me chamou para iluminar, chamado prontamente atendido com muito amor e carinho.

2 comentários:

Sandra disse...

Cada imagem linda! Babei!

viralata disse...

Yeah!!! mérci.
bj