1 de fev de 2009

Faço minhas as palavras do Kfouri

Da capa da "Veja" desta semana passando por todos os colunistas importantes dos principais jornais do país (não só da área esportiva) o assunto é um só: o 'caso' Robinho.
Muito bem resumido na manchete da revista semanal a pergunta que não quer calar é: "Por que eles nunca crescem?", embora a resposta seja 'óbvia ululante', lembrando a expressão do também futebolista Nelson Rodrigues, ela foi bem defendida mais uma vez pelo jornalista Juca Kfouri na "Folha" deste domingo.
Para quem não leu, reproduzo o texto aqui embaixo, já que a versão online é apenas para assinantes. Dizer mais seria supérfluo!

São Paulo, domingo, 01 de fevereiro de 2009

JUCA KFOURI


Ricos meninos pobres

Dos milhões que são gastos na aquisição de craques, uma parte deveria ser investida na cabeça deles

ROBINHO, ADRIANO , Ronaldos.
Tantos.
Indiscutivelmente talentosos com a bola nos pés, mas desastrados longe dela.
Ricos nas contas bancárias, mas pobres de espírito.
Suas vidas se resumem ao futebol e às baladas, às baladas e ao futebol.
Estrelas populares cujos brilhos diminuem à medida que o tempo passa e cujo desgaste afasta da atividade principal, mãe de todas as outras, o jogar futebol bem, maravilhosamente bem. Mas que importa?
O futuro sem preocupações materiais já está garantido!
Mal sabem, ou alguns até já sabem, que, de repente, bate uma nostalgia, uma vontade louca de voltar a ser, de olhar para as arquibancadas lotadas em uníssono saudando o nome do ídolo.
Ídolo, que ídolo?
Ex-ídolo.
Ex-ídolo do Santos, do Real Madrid, do Flamengo, da Inter, do Barcelona, do Milan.
De tantos.
E com saudade de estufar a rede, de correr para o abraço, de eventualmente correr para o alambrado e comemorar com os pobres, mas ricos em emoção.
Emoção que vicia e que eles vão buscar na noite e em suas atrações.
Sejam as que alucinam, sejam as que excitam, sejam quais forem, mas incompatíveis com o correr 90 minutos, com o bater forte, com o apanhar doído, com o jogar de cabeça erguida.
Cabeça, que cabeça?
Sim, as cabeças precisam ser tratadas até para conviver com tanta facilidade -Diego Maradona e Walter Casagrande Júnior que o digam. E quem gasta tanto para tê-las, por que não gastar uma ínfima parcela para tratá-las?
Futebol, sexo, drogas e rock and roll. Bela mistura. Doutor Sócrates não vai gostar, Xico Sá vai ridicularizar, mas o fato é que a vida exige opções. Ou bem se faz uma coisa ou bem se fazem outras.
Algumas, ao mesmo tempo, são simplesmente incompatíveis.
Salvo raras exceções, rigorosamente extraordinárias como Romário, baladas diárias e futebol duas vezes por semana não ornam, não casam, repelem-se.
E é o que mais temos visto por aí, a ponto de até Pelé reclamar, ele que sempre cuidou do físico para poder reinar mais tempo, sem nunca ter sido santo, ao contrário.
"Quero fulano para jogar no meu time, não para casar com a minha filha", eis aí, de novo, a frase emblemática que até fazia sentido para os tempos românticos. Mas não faz mais, quando talento e saúde são exigidos quase em igual proporção.
E não se trata de moralismo, conservadorismo, reacionarismo, nada disso. São meras constatações, basta olhar para o momento vivido, hoje, pelos acima citados.
Não é preciso ser bom moço carola feito Kaká, mas também não precisa exagerar.
Porque o exagero torna até a curtição mais curta.
E a exposição desnecessária deles e o mole que dão beiram tanto as raias do absurdo que se confundem até com burrice, embora, de fato, sejam, apenas (?!), frutos de má, de péssima orientação.
É preciso cuidar deles.

blogdojuca@uol.com.br

6 comentários:

Sandra disse...

Linda foto!!! Quanto ao Robinho, acho um pouco cruel essa vida de estrela de futebol. Quando todo jovem divide um lanche e um refrigerante e pode ser irresponsável sem causar grandes estragos, eles ganham fortunas numa idade em que o natural é não ter cabeça para usá-las com maturidade. Quando estão um pouco mais velhos, suas carreiras acabaram, justamente quando os demais jovens estão se estabilizando financeiramente, construindo relacionamentos, etc.

viralata disse...

Sandra, o pior mesmo é que o próprio Robinho, não faz muito tempo, vivia exatamente esta realidade que vc descreveu. A desestruturação é geral, daí a culpa tb é da família, dúvido e aposto o meu piercing como os pais dele não dão um pio na vida do garoto! Dinheiro cala! Pena, quero ver ele comprar tota a moral perdida, não importa o golpe da 'bisca' inglesa!
bj

Rickioo disse...

O jornalismo brasileiro é que deveria crescer. O Robinho é jogador de Futebol, é pago pra isso e isso o faz com maestria, o que mais ele fizer de sua vida pessoal em seu tempo livre não é um problema da sociedade. É disso que vive a midia (principalmente) brasileira, de migalhas que os 'ídolos', enquanto humanos (que são), por vezes deixam cair. Aí criam discursos pomposos e politicamente corretos pra evidenciar o que todos já sabem, mas que ninguém faz nada a respeito.

"É preciso cuidar deles."

Demagogia.

viralata disse...

Humm, sinto muito mas discordo inteiramente de vc Rickioo! Em primeiro lugar Robinho, Ronaldo, Cristiano Ronaldo, Adriano, etc não são de forma nenhuma 'simples jogadores geniais'. São personalidades com atividades sociais importantes (com crianças em embaixadas, na unesco, etc) e com uma imagem a zelar. Afinal de contas eles não recebem nas transações milionárias o tal 'direito de imagem', então vamos cuidar bem dela antes de sair por aí capotando ferraris, comendo putas, travestis, enchendo a cara, bla, bla, bla.
Futebol é tb negócio e estes 'garotos' sabem muito bem disso, by the way isso não é coisa apenas do jornalismo brasileiro não, lá fora é beemmm pior! Isso é pura e simplesmente desestrutura psicológica e familiar. Não quer viver sobre pressão então que continue dando dribles nas favelas onde nasceram! Esse discurso de na minha vida eu faço o que quiser não vale pra eles mesmo!
Abraço

Rickioo disse...

Não discordo do seu ponto de vista no que diz respeito ao Robinho ser (querendo ou não) um formador de opinião e talvez eu não tenha me expressado adequadamente.
E quando falei que 'é problema dele', foi na intenção de dizer que não é problema do Sr. JUCA KFOURI, essas declarações cheias de demagogia realmente me enjoam...É isso, abraços!

viralata disse...

Ok entendi, é uma antipatia mesmo pelo Kfouri!
Abraços