26 de fev de 2009

Que 'movimento' é esse? (ou: sou Artista e não Educador-Ativista)

Ao trabalho camaradas, organizem um movimento e façam a máquina produzir!

Nós artistas de uma hora para outra nos transformamos todos numa espécie de 'ativistas humanitários-culturais'! Não basta a 'nossa causa' é preciso ter "contrapartida social" para isso e aquilo e agora também nos exigem "medidas preventivas contra o impacto ambiental negativo"... que 'po*&%$%a' é isso? Tudo agora tem de ser carbon free, sustentável, ecológico, etc.
E eu digo: "é só uma pecinha de teatro senhor!", "é apenas uma ópera madame!", "é só um showzinho presidente!"

Qual o papel do Artista na burocracia contemporânea deste rosário sem fim 'pseudo politicamente correto'? Produzir/Poluir?
Tá certo também que parte da 'classe' exigiu seu reconhecimento depois de palestras, encontros e 'sufrágios democráticos' (contando os braços erguidos 'a favor') num movimento batizado de "Arte contra a Barbárie" (!), resultando dentre outras aberrações 'excludentes' num tal "Fomento para as Artes".
É isso então, lutaram contra a 'barbárie' (seria o 'capitalismo do teatrão'), ganharam o 'fomento' e hoje são todos 'ativistas' de plantão defendendo o seu espaço (físico) alugado produzindo pouco para pouquíssimos (às vezes até muito para 'muitíssimos', mas não faz diferença), fazendo muito barulho para não largarem o 'osso fomentado'.
Viraram 'educadores', plantaram sementes (paúba?), reciclaram seus programas (ou 'pogrom/погром') em troca de quê?

Nem prêmios nos credenciam mais. Um Shell (poluidora?) desacreditado vale hoje muito menos do que o antigo Molière (passagem para Paris ida e volta sem nenhum dinheiro!). Prêmios também viraram 'contrapartida social' das empresas que usam artistas como mico de circo: Prêmio Bravo, Contigo, Coca-Cola, etc... nenhum deles trazem público e muito menos prestígio.
A indiferença é triste e gritante.
...

O resultado do que se busca é o contrário, o teatro brasileiro está fomentando o emburrecimento do seu público. Falarei apenas do teatro, já que se abrir o verbo para defender a 'classe lírica' serei acusado de defender a 'barbárie' produzida pela alta elite! Mal sabem eles que faço ópera ao ar livre em Manaus para mais de 20 mil índios encantados! Seria isso uma 'medida contra o impacto ambiental negativo' aceitável? Aliás são 20 mil índios que deixaram de ligar os seus televisores e foram à praça (a pé ou com transporte público movido a energia alternativa!) pública assistir a um espetáculo lírico. Essas coisas enlouquecem críticos da Alemanha, Espanha, EUA, França, etc... todo ano e são publicadas em todas as mídias mas parece que o burocrata por trás do ministério da cultura além de surdo e monoglota é insensível ao reconhecimento do 'inimigo estrangeiro'. Hummm, acabei falando!

Sou ARTISTA e não EDUCADOR, minha função é outra; deveríamos passar ao largo da catequisação da luta de classes que este governo inflama.
Que as EXCEÇÕES destes casos possam produzir mais e PENSAR este País!
Poucas vezes encontramos um diálogo aberto e honesto nos espetáculos apresentados em São Paulo, comunicar não é mais a razão de estrear um espetáculo, tudo se resume a um sindicalismo frouxo e burro. A obra já não fala por si (que me perdoe Adorno), é preciso fazer um 'movimento' (que me perdoe Caetano Veloso)! Uma geração inteira de artistas que começou a respirar após a ditadura ainda está bastante imatura para lidar com certos valores de liberdade e capitalismo (que me perdoe Marx).
Desconhecem princípios sobre a ética (que me perdoe Espinosa) e banalizaram o mal (sorry Hannah Arendt).

Ao final deste governo, nós artistas, nos juntaremos aos milhões de 'assistidos' por todas as 'bolsas sociais' e nos tornaremos mendigos por anos e anos de uma política populista e melíflua que demorará muito (dependendo dos próximos e próximos governantes) para ser extirpada e repensada.
Claro que quem sofrerá com isso será a Arte, muito antes dos artistas, mas estamos falando de algo supérfluo, não é mesmo?!

4 comentários:

Glorinha disse...

Caetano, quando a arte estiver supérflua muito de nós não terá sentido algum...essa é luta de todos os dias, incansável e silenciosa...mais do que sonora é de coração para alma e enfim vai ao mundo...
[[]]abraços meu amigo mais que artista!!! afinal vc congela imagens que descongelam o coração das pessoas...rs...e escreve mais que bem também....e ilumina..puxa viu só...acredito na arte porque acredito no ser humano como você!

viralata disse...

muito obrigado Glorinha, esta é a nossa luta!
bj

Sandra disse...

QUE
AR-
RAAAAAAAAAAAAAAA-
SOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!

viralata disse...

é isso aí Sandra! ;P