16 de mar de 2009

Última chamada! Na "Ilustrada" de hoje:

Última chamada! Na "Ilustrada" de hoje:

São Paulo, segunda-feira, 16 de março de 2009


Peça do inglês Tom Stoppard é lida hoje na Folha

"Travesties" flagra efervescência de Zurique no fim da década de 1910, quando lá moravam Tristan Tzara, James Joyce e Lênin

Caetano Vilela dirige Cia. de Ópera Seca em leitura aberta ao público; texto não dispensa metalinguagem característica do escritor


Moacyr Lopes Júnior/Folha Imagem


Elenco e diretor (ao centro, de camisa verde) de "Travesties' durante ensaio para a leitura

DA REPORTAGEM LOCAL

Na Zurique de 1917, consta que o revolucionário Lênin (1870-1924), o precursor do dadaísmo Tristan Tzara (1896-1963) e o escritor James Joyce (1882-1941) viviam na mesma rua, mas nunca se cruzaram.
O dramaturgo inglês Tom Stoppard "consertou" esse infortúnio histórico em "Travesties", peça de 1974 lida hoje, no auditório da Folha, com direção de Caetano Vilela -que pretende montá-la como "Farsas Burlescas".
No enredo, a sala da casa do funcionário da embaixada britânica Henry Carr (outra figura que de fato existiu) e uma biblioteca da cidade suíça acolhem encontros ocasionais do trio de notáveis.
O relato é conduzido pela memória de um Carr já velho, cheia de imprecisões e solavancos -mas capaz de manter intactas as discussões sobre a função política do artista e o estado da arte em regimes totalitários que pautaram sua relação com as figuras históricas. Como é caro a Stoppard, a dramaturgia de "Travesties" tem traços de metalinguagem.
Aqui, ele dialoga com "A Importância de Ser Fiel", crítica de costumes de Oscar Wilde (1854-1900): ator diletante, Carr é convencido a participar de uma montagem do clássico.

Ópera Seca
Vilela, que faz sua estreia como diretor da Cia. de Ópera Seca (fundada por Gerald Thomas), conta que descobriu o texto durante a preparação da ópera "Lady Macbeth do Distrito de Mtzensk", há três anos: "Pesquisando a censura dessa ópera [pelo Partido Comunista russo, em 1936], cheguei a autores contemporâneos que tratavam de arte e poder. E Stoppard era um deles. Quis adaptar "Rock'n'roll" (2006), mas os direitos tinham sido comprados. Então me lembrei do 'Travesties'".
Em uma conversa telefônica, Stoppard avisou: "Veja bem, esse é um dos meus textos mais difíceis. Você não sabe onde está se metendo". O diretor não se assustou: "Apesar do discurso político sobre o papel do artista na sociedade e da linguagem elaborada, ele mesmo disse que não era para ver a peça como tese: tratava-se de uma comédia, um divertimento". (LN)


LEITURA DA PEÇA "TRAVESTIES"
Quando: hoje, às 20h
Onde: auditório da Folha (al. Barão de Limeira, 425, 9º andar, Campos Elíseos)
Quanto: grátis (inscrições pelo tel. 3224-3473 ou pelo e-mail eventofolha@grupofolha.com.br, das 14h às 19h)
Classificação: não indicada a menores de 14 anos

2 comentários:

Gerald Thomas disse...

Faltou falar do elenco ne?
Bem. Merda querido
LOVE
G

viralata disse...

pois é, na outra tinha elenco e não tinha foto, neste o contrário...
Foi ótimo!!!!!
Bj