28 de jun de 2009

O cotidiano de um anti-herói (ou: Selton Mello É Jean Charles)


Se tem uma coisa que o filme "Jean Charles" acerta na mosca é na empatia que um personagem tão desgraçadamente brasileiro provoca no público. Todos se identificam com aquele cara que sai do País para dar certo na vida, faz uns cambalachos aqui outro ali mas é um boa-praça. Na verdade um anti-herói urbano que virou símbolo de luta para todos os imigrantes legais, ou não, mundo afora.

Falou-se muito no 'tom naturalista' meio documental, meio 'prêt-à-porter' dos atores profissionais e amadores do filme mas o lance é que o filme vai se construindo neste cotidiano 'amador' sem muitos conflitos ou 'plots' dramatúrgicos excepcionais, tudo fica nas mãos dos atores, com destaque para Luis Miranda e Vanessa Giácomo, a cena em que o Luis 'apresenta' os aparelhos domésticos na cozinha em Londres para ela é de um humor impagável.
Assisti do mesmo diretor Henrique Goldman, numa Mostra de Cinema, o irregular e bem intencionado "Princesa", que tratava sobre o mundo cão das 'travas' brasileiras na Itália, aqui em "Jean Charles" ele esquece o 'estilismo' e centra a ação no cotidiano de Jean até a tragédia que todos conhecem. E só!

Muitos filmes já trataram do 'antes', do processo de emigração e tal, quanto a "Jean Charles" o antes é óbvio e desinteressante, melhor mesmo é esse 'naturalismo' meio descompromissado deste cotidiano. Quanto ao "depois"... bem, na verdade como podemos observar o descaso da Justiça com a história real o depois não trará também muitas novidades, sabemos exatamente como terminará.

Ah, e sobre Selton Mello não tenho nem o que dizer do maior 'workaholic' do Brasil. Adoro o cara, acho ele excelente até quando erra, o que não é o caso.
Aliás o cartaz de lançamento do filme já diz tudo "Selton Mello É Jean Charles" e isso É um elogio, difícil imaginar outro ator naquele papel.

7 comentários:

Revista Cidade do Sol disse...

Oi, Caetano, tou doido para ver esse filme!

viralata disse...

Nossa quase 'não te reconheço' man! hehehe
Veja sim, mas sem expectativa nenhuma, é um bom filme!
Abraço

Anônimo disse...

Nossa ainda leva uns meses para sair em DVD por aqui....mas estou doida para ver , comentarios esta otimos...
So uma resalva AMO SELTON MELLO , mas assisti esses dias em DVD , *O CHEIRO DO RALO* acho que foi o pior filme da carreira dele...triste de doer...mas em todos podem ser como..MEU NOME E JOHNNY....

Valeu legal Post...

viralata disse...

Amor, Cheiro do Ralo é para 'turma da cota' dos xiitas culturais, kkkk
Nem me dei ao trabalho, pois soube de fonte fidedigna que eu me irritaria deveras!
Inté
;P

Anônimo disse...

Oi, Caetano.

Sabe o tal Manzoni, que comentei? Na verdade quem inspirou óperas mesmo foi o Walter Scott, amigo e inspirador dele: "Ivanhoe" e "Bride of Lamermoor" foram escritos por Scott e, pelo que me parece, inspiraram as óperas...

Penetralia disse...

Caetano, o Dry Opera acabou?

viralata disse...

Luci,
Quem disse isso?
NUNCA! O GT tem os projetos dele, Eu tenho os meus com a DRY OPERA e enquanto vivermos ela nunca vai acabar!
Abração!