17 de jul de 2009

FRANCO BUENO (1980-2009)

De Madrid - Ia escrever mais sobre os meus dias aqui na Espanha quando soube que o pianista, e meu grande amigo, Franco Bueno faleceu esta tarde no Brasil, vítima de câncer aos 29 anos!
Estou desolado e chocado com esta injustiça tão grande do destino.

Eu fazia parte de um grupo muito pequeno de amigos que acompanhava a batalha do Franco contra um linfoma que surgiu em seu corpo há quase 2 anos.
Quando nos conhecemos 4 anos atrás, por conta do Festival Amazonas de Ópera (ele era o braço direito do maestro Luiz Fernando Malheiro na preparação musical dos cantores) houve um sintonia imediata, nosso humor era muito parecido, por vezes 'agressivo' demais para quem não nos conhecia muito bem.

Por conta também do seu tratamento este ano ele não pode ir para o FAO, embora insistisse que estava bem, seu médico não recomendou a viagem e disse que seria arriscado para a sua frágil saúde. Ligava para ele e contava como iam os ensaios e os 'fuxicos' da semana para distraí-lo, pois sabia que ele estava muito triste em não estar conosco. Sua voz já estava bem diferente, resultado de sessões de químio e radioterapia e ele se cansava rápido... mesmo assim, juro que achava que ele venceria essa luta.

Para mim era (e ainda é) inadmissível que uma doença sorrateira possa destruir tão rápido uma pessoa jovem e talentosa de forma tão avassaladora!
A última vez que nos falamos foi quando o Michael Jackson morreu. Ele sabia que eu era fã de 'MJ' e me ligou do hospital para me consolar, como eu ia viajar logo em seguida combinamos de nos encontrar na minha volta.
Infelizmente eu não estarei no seu velório nesta noite (ele será cremado na Vila Alpina) mas meu coração e as minhas lembranças são dele!
...

Franco sempre lia este Blog e me ligava rindo das coisas que escrevia, por vezes ele comentava assinando com a abreviação do seu nome "FB". Foi assim que ele comentou um post que fiz em fevereiro sobre o diretor alemão Christoph Schlingensief (leia aqui!) também vítima de câncer mas que conseguiu sobreviver ao tratamento. Lá eu falava da experiência diferente que tive em trabalhar com o diretor e de como ele queria a luz do espetáculo, "A luz é como a vida, se modifica a cada dia".
Daí o comentário:

- "FB disse...
Arrasou peeee!!!!
Bonito mesmo isso da vida eh como a luz, se modifica a cada dia. Levo sempre como exemplo a sua luz, um dia melhor que o outro. Vc sabe do que estou falando.
Assim a gente aprende!
Love"
...

Arrasou você "peeeee" (sempre nos tratávamos assim, era uma 'private joke'), sim eu sei do que você está falando. Nunca me esquecerei da sua amizade, talento, beleza, humor e inteligência! Love

16 comentários:

Olintho Malaquias disse...

Que coisa linda, Caetano, nunca ninguém tão próximo, nunca ninguém tão querido. Sinta-se abraçado e acarinhado, não vai ser fácil... Beijos!

Carmen Carvalho disse...

Saudades do Franco, ficou um profundo carinho e sentimento de gratidão, pelas palavras que um dia ele escreveu pra mim.

Amor, um abraço bem apertado pra vc.
Beijos no coração que hoje bate dolorido.

Rbert Brges disse...

Caetano, me encontrei o Franco duas vezes só mas tive a certeza de que era uma pessoa maravilhosa, de um talento transbordante. Estou triste por não ter convivido mais com ele. Deixo minha solidariedade,que ele fique bem onde quer que ele esteja. Beijo

Borja disse...

Muito lindo o seu comentario Caetano. Carinhos.

Luiz Fernando Malheiro disse...

Que droga Caetano...e nós dois longe logo agora...não consigo falar nada - que tristeza tão grande...beijo..tente ficar bem ai,ele com certeza quer você rindo e falando bobagem...

Anônimo disse...

Muita tristeza Caetano... cada um em seu luto individual já cheio de saudade!!! Beijo grande e muita paz. Eliane Lax

viralata disse...

Amores, a dor é imensa!
Beijos

Laura Mello disse...

Oi, não nos conhecemos, mas estou escrevendo pra prestar meus sentimentos, eu estudei com o Franco na Belas Artes, eu morava na Áustria quando ele morou lá também. Estou chocada. Que ele escute nossas homenagens, querido Franco, linda alma, espero que frutifique em outras pessoas, que elas possam ter um pouco da sua alegria e carinho. Um abraço amigo de Berlim. Laura Mello

Gabriella disse...

Só uma tristeza profunda, lembranças vivas e uma saudade para todo sempre.
Beijos, Caetaninho.
Love,
Gabi Pace

Sandra disse...

Que dizer?... É uma dor intransferível...

Carolina Moraes disse...

Querido, quando o Franco me contou da sua luta eu fiquei bem mal, mas não achei que tudo fosse tão rápido...eu casei no sábado (ele ainda falou que viria) e passei o domingo chorando e revendo nossas fotos da Belas...mas quando lembro do meu querido amigo, eu tenho que gargalhar, pois só tenho boas lembranças...Deus só colhe as flores pro jardim dEle...

Anônimo disse...

Caetano, não sei se vc lembra de mim, Fabrizio, com quem o Franco morou no Rio. Infelizmente, fiquei sabendo agora e por aqui da notícia, então nem pude ir a SP me despedir dele. Só quis deixar registrado aqui pra vc, de quem eu sei que ele gosta muito, minha dor e saudade do Franquinho. Um grande abraço pra vc, querido! - Fabrizio - RJ

viralata disse...

Meninas, Fabrício a única certeza que temos é que ele queria que nós tivessemos apenas boas lembranças dele. Temos MUITAS! Beijão

leo ceolin disse...

Por acaso entrei no teu blog e vi o que aconteceu com um querido que esta presente nas memórias de todos os que o conheceram, e é isso o que é precioso e eterno, a memória que criamos para o mundo. E a memória do Sêneca nas tuas palavras resoaram bastante em mim..Um grande abraço e um beijo no coracão.

Élio Oliveira disse...

Nossa,eu não sabia... Vi o Franco uma única vez nos ensaios do Festival de Ópera de Manaus em 2006. Nem me apresentei na ocasião, fiquei só olhando de longe, pois estava de passagem na cidade, já voltando pra Brasília. Mas esse cara e seu trabalho me foram um encanto. Depois consegui seu contato na internet, para elogiar o trabalho, conversamos um pouco, conheci a história desse Fábio, o labrador da foto... Realmente fiquei surpreso ao saber de toda essa história. Uma pena. Mas ele realmente é uma memória muito bonita, até para quem sequer o conheceu.

Caetano Vilela disse...

Élio, foi uma história muito bonita mesmo!
Grande abraço