2 de ago de 2009

E a história se repete, em ouro e descaso

Cielo mostrando o "V" da vitória, quem chora agora é você! Mais, aqui

Em agosto/setembro do ano passado escrevi aqui 3 posts sobre o ouro de César Cielo nas Olimpíadas, minha opinião reiterava com a de vários colunistas que davam a vitória única e exclusivamente ao lindo e emotivo atleta paulista:

Em 16/08/08: "Ouro del Cielo"

- "(...) Cielo será agora um exemplo (ainda que fugaz) como o foi Guga para o tênis após conquistar Roland Garros, pena que o Brasil trate tão mal atletas de ponta como eles! Já estou até vendo os discursos costumeiros de autoridades esportivas (se é que temos alguma confiável) e 'papagaios-de-pirata' de plantão prometendo mundos e fundos para a natação no país, tudo 'tiro n'água'.
Para continuar na linha de frente dos melhores do mundo César Cielo continuará competindo e estudando em universidades estrangeiras e faz muito bem, aliás acho errado dizer que ele "deu o primeiro ouro ao Brasil" neste nosso ufanismo egoísta, essa medalha é única e exclusivamente dele e de sua equipe americana, mérito próprio que jamais tirará o brilho deste lindo paulista emocionado."


Em 28/08/2008: "Você também pensa assim?"

Comentei a crônica na "Folha de S.Paulo" de Contardo Calligaris que dizia:
- "A performance dos atletas é um exercício de clareza e de controle de si. Certo, para a maioria, o caminho até lá é uma gincana de sacrifícios, conflitos familiares, dramas íntimos e buscas de patrocínio."

Em 02/09/2008: "Conta outra agora"
Cielo declarava:
- "Continuo com a mesma conta bancária de antes. Desde que me tornei profissional, em março, paguei tudo: alimentação, hospedagem e até o meu técnico [o australiano Brett Hawke]."

No caderno de Esporte do "Estadão" de hoje o narrador da Sport TV Milton Leite novamente toca no tema crucial que marca este governo e batiza seu artigo com um título objetivo e direto, "A falta de uma política esportiva":
- "(...) Claro que acontecerá uma visita ao presidente - com seu ministro do Esporte sorridente ao lado. Tapinhas nas costas, milhares deles, de cartolas e oportunistas de plantão. Mas a família Cielo sabe bem o trabalho que deu transformar César em campeão olímpico em Pequim e agora campeão e recordista mundial em Roma. (...) A política do governo é determinar que companhias estatais (...) gastem verbas cada vez maiores para bancar seleções de diversas modalidades, sempre no alto da pirâmide (...) o esporte brasileiro deveria começar na escola ... não só porque contribuiria para a formação de uma população mais saudável e educada, mas também para garimpar os talentos esportivos (...)"
...

E daí vai no mesmo modelo a "Bolsa Cultura", mas isso já é uma outra história, embora tenha o mesmo final que eu já conheço.

2 comentários:

Blog do Revisor disse...

brasileiro torce como se tudo fosse copa do mundo. acho isso insuportavel. depois que passa, acabou, todo mundo esquece, e ridiculo.

viralata disse...

Nem me diz, também fico bem irritado com esse tipo de comportamento!
Abração