6 de mai de 2010

Nem sempre quem ganha vence!

"Les Troyens", cena do funeral do herói Heitor

Queridos amigos e simpatizantes que torceram junto comigo para que eu ganhasse o Prêmio Carlos Gomes pela direção de "Les Troyens", infelizmente os jurados pensaram diferente e numa decisão soberana decidiram por premiar não um espetáculo de ópera mas sim um concerto semi-encenado.
Uma pena, ainda mais quando pensamos na importância deste título, inédito, no Brasil. O ano passado foi um ano extremamente complicado para as produções artísticas de um modo geral e Manaus viveu esse reflexo exatamente no período da realização do Festival. Como se viu, o ano de 2009 foi dedicado a França e nem assim conseguimos patrocínio suficiente para se montar um festival com a grandeza que foi imaginada. Mas mesmo assim levantamos importantes produções como a deslumbrante montagem de "Sansão e Dalila" assinada pelo mestre Emilio Sagi e as quase 5 horas de música que foi "Les Troyens".

A não premiação não abala a minha certeza de que fiz um espetáculo grandioso, inteligente, imponente e o que de melhor se produziu no Brasil na área operística em 2009! Infelizmente não tenho esperanças que este belíssimo espetáculo, fruto de mais de 300 trabalhadores faça turnê pelo resto do País, já me frustrei outras vezes com co-produções que não deram certo seja por má vontade política ou mesmo falta de dinheiro. Lamento, por exemplo, até hoje a 'morte súbita' da produção de "Lady Macbeth do Distrito de Mtzensk" de Shostakovich. Estou bem acostumado com isso nas peças de teatro que trabalho e deveria estar também nas óperas (onde as temporadas inclusive são menores), mas é um trabalho, estudo e dedicação tão grandes que não há como não querermos que mais gente assista o resultado de tanto amor de uma equipe tão talentosa.

Sobre a minha opinião do vencedor da noite tenho a dizer o seguinte: quando o Prêmio Carlos Gomes prestigia as diversas categorias que fazem um espetáculo de ópera (luz, cenário e figurinos) e escolhe um Diretor de Cena (na verdade o termo correto seria Diretor Cênico ou Encenador) que dirige um concerto semi-encenado ele desprestigia exatamente o Espetáculo. Quem sabe nos próximos anos a direção do prêmio não cria uma categoria especial para Concertos e Eventos, seria mais justo para quem realiza a 'gesantkunstewerk', ou como queria Richard Wagner, a "obra de arte total" nos palcos brasileiros.
...


Vi pelo meu 'registro de tráfego' de frequência do blog (clique na foto acima para ampliar) que às 23h20 tive um acesso vindo de Lisboa, usando um Mac com o browser Safari que deixou o seguinte comentário anônimo no post anterior (postagem sobre a minha indicação) às 23h22, que aliás não apagarei:
- "E ai, ganhou? Não? Mas e porque parou de aplaudir quando anunciaram o vencedor? Que feio."

Stálin utilizava os mesmos métodos de espionagem e uma rede de informantes delatores para fuzilar seus inimigos ou quem simplesmente pensava diferente dele. No círculo das minhas relações pessoais não tenho absolutamente nenhuma inimizade ou alguém que eu odeie. Coisa bem diferente na 'classe de trabalho', sei que alguns não gostam de mim pelo meu gênio, força, talento ou humor ácido, se alguns me odeiam eu realmente não sei.

Agora eu sei bem de quem eu realmente não gosto e odeio, é 1 pessoa e meia (a outra metade desta pessoa já está quase no limbo!) e desses eu simplesmente me afasto e evito pronunciar o nome, aplaudir então...

...

Okiarô Oxóssi! Okê Okê.

Senhor das matas

E da vida silvestre,

Neste momento, Pai,

Sou sua flecha,

Sou a força do seu arco,

Sou tudo o que és: a agilidade

e a sabedoria.

Faça de mim, Soberano Caçador,

Uma pessoa de sucesso

e que haja fartura

em minha casa.

Dai-me sabedoria para agir,

paz para construir meus ideais,

força para seguir sempre.

Oxóssi, rei das matas, da lua,

Do céu azul,

Que eu seja leve como

o pássaro que voa,

livre como o cavalo que corre,

forte como o carvalho na mata,

direito como sua flecha

e que eu vença e seja feliz sempre.

4 comentários:

Manu disse...

Essa coisa de prêmio é complicada. Sempre esbarra em critérios não muito claros e leva a resultados inevitavelmente injustos.
Não que seja uma grande perda, aliás, não representa o melhor julgamento, mas ganhar um premiozinho não é mal. rs.
O bom é ter todos os reconhecimentos que a ópera teve e, acima de tudo, saber que sua criatividade, sua personalidade e ousadia continuarão encantando a gente no teatro e na ópera. (Apesar das dificuldades que já conhecemos!)
Parabéns pelo artista que você é: como poucos.

viralata disse...

VALEU MANUUUUUU!!! BJAO

Sergio Martins disse...

Eu votei em você...

viralata disse...

Serjones valeu man!!!