19 de mai de 2010

Tapa-Sexo

E é isso mesmo!
Direto da "Coluna da Joyce" na "Revista Poder" deste mês, já nas bancas, a notícia é a visão estreita (para ser elegante) dos diretores de marketing nas empresas que patrocinam cultura no Brasil.
Há mais de 1 ano que tento produzir a peça e só ouço NÃO, NÃO e NÃO, o único 'talvez' que ouvi condicionava o possível patrocínio à troca do nome do espetáculo, afinal de contas "Travesties" não seria um bom nome para se comentar nas mesas das pizzarias depois do espetáculo; francamente! Que Tom Stoppard não saiba disto:
- "Caetano Vilela, que assumiu a Companhia de Ópera Seca após a saída de Gerald Thomas ainda não tem previsão de quando vai estrear Travesties em São Paulo. Um dos espetáculos mais elogiados no último Festival de Curitiba, ele até obteve permissão para captar R$800 mil via Lei Rouanet. Porém, esbarra num preconceito que já fez um conglomerado brasileiro (e suas empresas) declinar do investimento. O entrave? O título da peça, que, apesar de sugerir, não tem nenhuma relação com travestis."

Tenho esperanças de estreá-la ainda neste ano, seja no Rio ou em São Paulo, afinal tenho os direitos da peça até dezembro e já estou no 7º (!) produtor/captador. As reuniões que tive 'pós-dilúvio' no Rio de Janeiro me apontam para praias cariocas. Em última hipótese faço mais 4 apresentações em 2 festivais (Rio e Bahia) e c'est fini!

Se joga: leia mais no link da revista aqui: http://revistapoder.uol.com.br/

2 comentários:

Pedrita disse...

eu vi a nota, estou com a revista aqui. beijos, pedrita

viralata disse...

Beijos amor e estou na luta!